Futurability: Morar – Como será o futuro das nossas casas

“Nada mudou tanto durante a pandemia quanto o significado de ’morar’”. Essa afirmação abre o estudo Futurability: Morar, da Questtonó, consultoria em design e inovação, que analisou o significado e as novas perspectivas das moradias pós Covid-19. Se antes dizíamos, “a minha casa está de portas abertas para você”, hoje — segundo o estudo —, “a casa se tornou um habitat seguro, se transformou em uma espécie de reino protegido, de onde nos relacionamos com o resto do mundo. Como num reino, nossa porta de entrada passou a ser uma fronteira, com severos protocolos de controle. Estamos mais rigorosos no cuidado com a proteção do espaço contra ameaças externas. Sabemos que qualquer encomenda pode comprometer a segurança do nosso ‘reino’.”

Segundo a Questtonó, “nesse contexto, surgem oportunidades para novos tipos de mobiliário, equipamentos e tecnologias que podem tornar esses rituais [de entrar e receber algo em casa] mais simples e seguros, evitando que isso se torne mais um fator de ansiedade, já tão presente na vida contemporânea.” E completa, “vão surgir novas maneiras de fazer a descontaminação dos indivíduos e dos itens que chegam da rua. Também será necessário rever os locais para acondicionar objetos que usamos fora de casa, como sapatos, roupas ou outros itens.” Soluções como um passa volume com descontaminação por UV ou dispenser de álcool em gel poderiam compor a nova entrada das casas, como é visto no estudo feito pela consultoria.

Outro pilar identificado pelo estudo é o da autossuficiência. A pergunta “como fazer pão”, quebrou o recorde histórico de pesquisas no Google Brasil e “como pintar cabelo em casa” aumentou 90%. Além disso, soluções como sistemas de cultivo residencial e painéis solares desenham o futuro das novas moradias e são impulsionados pelo novo cenário. Como o estudo afirma, “novos produtos e serviços contribuem para que nossas casas deixem de ser somente um vetor de consumo para se tornarem também um ambiente de produção.”

Esse cenário se evidencia quando observamos os resultados de buscas, onde “como fazer jardim vertical” aumentou 150% e “como fazer horta em apartamento” aumentou 160%”. Reforçados pelo isolamento social, que nos manteve longe da natureza, o estudo ressalta que “novos produtos e serviços viabilizam o cultivo em espaços reduzidos e facilitam o cuidado, democratizando a experiência de trazer a natureza para dentro de casa.”


Leia também: As florestas verticais mais exuberantes do mundo


O sócio-diretor da Questtonó, Barão Di Sarno, lembra que uma parte significativa da população teve que fazer adaptações em casa para conseguir acessar o mundo de uma maneira mais prática. “Esse lugar que antes era um ambiente onde nos recolhíamos do mundo, passa a ser o lugar de onde também o acessamos. Só que isso tem uma série de implicações, porque navegar é preciso, mas desplugar também é.” O estudo ainda ressalta as mudanças do novo morar com o trabalho, o público e o privado, e as novas formas de socializar; e está disponível para download gratuito neste link.

Deixe uma resposta

Assine nossa newsletter!

Para conferir em primeira mão os conteúdos do InovaSocial em seu e-mail, assine agora nossa newsletter.
Insira o seu e-mail