As florestas verticais mais exuberantes do mundo

As florestas verticais possuem benefícios que vão além de sua bela aparência. De fato, construções cobertas por plantas são uma vista e tanto, transformando espaços vazios em algo esteticamente agradável e criativamente estimulante, mas a verdade é que essas florestas verticais também proporcionam muitos benefícios ao meio ambiente, reduzindo os efeitos das ilhas de calor urbanas e da poluição atmosférica. Elas também limpam o ar externo de poluentes e poeiras, também ajudando a neutralizar os índices de carbono resultantes das emissões de combustível.

As florestas verticais aumentam a biodiversidade, criando habitats para aves e insetos. Elas podem, também, ajudar combater a perda de biodiversidade causada pela urbanização, além de ajudar a manter uma variedade de plantas e insetos. Fisiologicamente falando, as plantas também ajudam na redução do stress, no aumento da produtividade e há pesquisadores que acreditam que elas podem até mesmo auxiliar pacientes durante a recuperação pós-operatória.

Hoje, conheça 5 das florestas verticais mais exuberantes do mundo todo.

Bosco Verticalle

Stefano Boeri é um arquiteto e urbanista italiano famoso por seus projetos de edifícios exuberantes cobertos por plantas. Para ele, as florestas verticais são um dispositivo arquitetônico que promove a coexistência da arquitetura e da natureza nas áreas urbanas e favorece a criação de ecossistemas urbanos complexos. Stefano Boeri pretende construir esses edifícios em 27 cidades ao redor do mundo – incluindo São Paulo, no Brasil – e os projetos estão em fases diferentes de desenvolvimento, mas todos eles são derivados do primeiro de todos: o Bosco Verticalle, que fica em Milão, na Itália.

O Bosco Verticalle foi inaugurado em outubro de 2014 e consiste em duas torres de 80 e 112 metros, que abrigam 480 árvores grandes e médias, 300 árvores pequenas, 11.000 plantas perenes e de cobertura e 5.000 arbustos. O equivalente – em uma superfície urbana de 1.500 m2 – a 20.000 m2 de floresta e vegetação rasteira.

Floresta Vertical de Nanjing

Também um projeto de Stefano Boeri, a primeira floresta vertical da Ásia terá duas torres de uso misto, que ficarão localizadas próximas ao rio Yangtze, no distrito de Pukou (Nanjing, China). As construções se iniciaram em 2018, mais de 1.100 árvores irão cobrir o edifício.

Serão utilizadas mais de 600 árvores altas e 500 árvores médias de 23 espécies locais, juntamente com 2.500 trepadeiras e arbustos, para cobrir uma área de 6.000 m2.

Estima-se que a floresta vertical absorva 25 toneladas de dióxido de carbono por ano, ao mesmo tempo que irão fornecer 60 kg de oxigênio para a atmosfera diariamente. A torre mais alta terá 200 metros de altura, 28 andares de escritórios, além de um museu e uma “escola de arquitetura verde”.

A segunda torre, com 108 metros de altura, abrigará um hotel Hyatt, com 247 quartos; e ainda terá uma piscina no terraço.

Interligando as duas torres, uma área de 20 metros de altura será dedicada a funções comerciais, recreativas e educativas e contará com espaço de varejo, mercado de alimentos, restaurantes, sala de conferências e espaços para exposições.

Cidade Florestal de Liuzhou

A última criação de Stefano Boeri que aparece na lista de hoje também é um projeto que ficará localizado na China. A Liuzhou Forest City (Cidade Florestal de Liuzhou, em tradução literal) conterá todas os itens essenciais de uma cidade moderna – escritórios, casas, hotéis, hospitais e escolas – alojadas em um local de 175 hectares próximo ao rio Liujiang. As fachadas de cada edifício serão cobertas por plantas, totalizando 40.000 árvores e quase 1 milhão de plantas de mais de 100 espécies diferentes. Estima-se que todo esse verde absorva 10.000 toneladas de CO2 e 57 toneladas de poluentes ao ano, produzindo aproximadamente 900 toneladas de oxigênio.

Além disso, cada edifício foi projetado para ter auto-suficiência energética, com sistemas geotérmicos que climatizam o ambiente interno; e painéis solares na cobertura, para o fornecimento de energia limpa. As opções de transporte para o centro de Liuzhou também incluirão uma linha ferroviária de alta velocidade e veículos elétricos.

As construções da Cidade Florestal de Liuzhou devem ser iniciadas no fim de 2020 e levarão cerca de 3 anos para serem concluídas.

Para conhecer outros projetos de Stefano Boeri, clique aqui.

Valley

Valley será um edifício de 75.000 m2, localizado no distrito comercial de Zuidas, em Amsterdã. Projetada para uso misto, a construção contará com unidades residenciais, escritórios, estacionamento, um sky bar e um espaço comercial e cultural. A ideia dos arquitetos do projeto é que o edifício dê mais vida e transmita mais emoção ao bairro, transformando o distrito em uma área urbana mais variada e habitável.

Com uma fachada de pedra natural esculpida, tudo foi milimetricamente projetado para permitir que a luz do sol entre em todos os 196 apartamentos do complexo.

A construção do Valley já está em andamento e o projeto busca receber a classificação ”Excelente” na certificação do BREEAM (o método de avaliação ambiental do Building Research Establishment)  após a sua conclusão, em 2021.

Santalaia

O Santalaia, localizado em Bogotá (Colômbia), abriga o maior jardim vertical do mundo. O edifício é coberto por uma camada de 85.000 plantas distribuídas por 3.100 m2. Um jardim vertical desse tamanho pode produzir oxigênio suficiente para mais de 3.100 pessoas por ano, filtrar mais de 2.000 toneladas de gases nocivos e capturar mais de 400 kg de poluição.

O Santalaia teve sua construção concluída em 2015 e seu projeto é resultado de uma colaboração dos escritórios Exacta Proyecto Total, Paisajismo Urbano e Groncol, especialistas nesse tipo de criação.

Para saber mais sobre as florestas verticais e conhecer mais benefícios dessas grandes construções verdes, clique aqui.

Assine nossa newsletter!

Para conferir em primeira mão os conteúdos do InovaSocial em seu e-mail, assine agora nossa newsletter.
Insira o seu e-mail