Conceptos Plásticos: As casas de plástico da Colômbia

Moradia é, sem dúvidas, um dos grandes problemas para o futuro. Na verdade, é um problema atual, mas do jeito que anda o crescimento da população mundial, a tendência é que esta questão só irá se agravar. Segundo a ONU, em 2100, nós atingiremos a marca de 11 bilhões de pessoas. Esse número representa um crescimento de 53% na população mundial.

O problema de moradia não se resume apenas em espaço. Material, mão-de-obra e custos também são pontos importantes no momento de se estruturar um teto para as pessoas. Pensando neste problema, a empresa colombiana Conceptos Plásticos desenvolveu uma técnica que utiliza a reciclagem de plástico para criar blocos de construção.

A empresa explica que, caso o plano seja construir casas térreas, os blocos de plástico podem ser usados integralmente. No caso de mais andares, é necessário usar uma estrutura metálica. Ao todo, a Conceptos já construiu mais de 1.600m², entre eles três refúgios, um centro de saúde para a Cruz Vermelha e oito moradias.

Levando em conta o processo de fabricação dos blocos, onde o plástico é moído, misturado com aditivos (essencial para tornar a peça resistente a incêndios), derretido e moldado, até a construção final, feita por apenas quatro pessoas, o tempo médio de entrega é de uma semana.

Segundo a empresa, as casas de plástico possuem três tipos de impactos positivos. O ambiental, pois recolhe materiais antes descartados em lixões, o social e o econômico, já que cada casa de 40m² custa em média 6 mil dólares, valor 30% menor do que os sistemas já usados para a habitação aplicada em comunidades rurais.

Com capacidade atual de 20 moradias mensais, a Conceptos pretende atingir a meta de 60 moradias mensais ainda em 2017, apenas na Colômbia, para seguir expansão para países como Chile e Brasil.

___
Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Mande uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br

Receba conteúdo exclusivo

Para não perder os próximos conteúdos do InovaSocial e receber materiais exclusivo em seu e-mail, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail