Como o Youtube funciona: Luta contra fake news, bullying virtual e mais

Recentemente, o YouTube lançou uma nova página para responder algumas das perguntas mais importantes que a empresa recebe todos os todos os dias a respeito de sua plataforma. O site “Como o YouTube funciona” aborda temas como segurança infantil, conteúdo nocivo, informações incorretas e direitos autorais, assim como respostas a problemas conforme eles surgem, como a maneira como o YouTube reage à crise de COVID-19 e como a plataforma apoia as eleições.

Segundo o Youtube, a prioridade da empresa tem sido enfrentar os desafios para manter sua plataforma aberta, democrática e, ao mesmo tempo, segura. Esse trabalho se concentra em quatro pilares, que o YouTube chama de “4 Rs de responsabilidade”: remover conteúdo que viola nossas políticas de comunidade, recomendar conteúdo de fontes confiáveis, reduzir a disseminação de conteúdo no limite de suas políticas (“borderline”) e recompensar criadores confiáveis.


Leia também:Fake News: 6 sites para descobrir se aquela notícia é verdadeira


Remoção

No segundo trimestre de 2020, o YouTube removeu da plataforma 11,4 milhões de vídeos. 95% deles foram denunciados por meio dos sistemas automáticos da plataforma, 42% sem nenhuma visualização antes da remoção e 33% com até 10 visualizações. Só no Brasil, no mesmo período, foram removidos da plataforma 981 mil vídeos por violação de políticas.

Com relação à COVID-19, já foram removidos globalmente mais de 200.000 vídeos por violar especificamente as políticas ligadas a informações prejudiciais sobre a doença. Essas diretrizes foram atualizadas para proibir conteúdo com informações médicas prejudiciais, como vídeos que dizem que o vírus é uma farsa ou alegando que há uma cura garantida.

Recomendação

O YouTube dá mais visibilidade a informações de fontes confiáveis e oferece informações com contexto ao usuário; como seções de notícias de última hora e principais notícias e painéis de informações – que são caixas de texto que fornecem aos usuários contexto na pesquisa e na página de exibição de vídeos.

O YouTube também tem exibido painéis informativos sobre a COVID-19, que redirecionam o usuário para sites de autoridades sanitárias, como a Organização Mundial da Saúde ou o Ministério da Saúde. Globalmente, esses painéis já tiveram mais de 200 bilhões de impressões. O YouTube também lançou uma seção com as últimas notícias sobre COVID-19, com informações e matérias de fontes jornalísticas de credibilidade.

Segundo a plataforma, o tempo de exibição de conteúdo de notícias cresceu mais de 75% no Brasil nos primeiros três meses de 2020.

Redução

Segundo a empresa, ela atua na disseminação de conteúdo nos limites de sua política, reduzindo seu alcance. Em 2019, foram lançadas mais de 30 alterações diferentes para reduzir as recomendações de conteúdo borderline.

Além disso, globalmente, o consumo de conteúdo de vídeos no limite das políticas da plataforma, provenientes das recomendações, é inferior a 1% de todo o consumo de conteúdo recomendado.

Recompensa

O YouTube ainda ressalta que valoriza conteúdos que atendam ao seu padrão mais alto padrão de monetização. Em 2018, os padrões foram aumentados para que os criadores possam ganhar dinheiro no YouTube e todos os canais no Programa de Parcerias da plataforma (YPP) são revisados por um ser humano, para garantir que eles atendam, de fato, os critérios de aprovação.

  • Os principais critérios são:
  • Seguir todas as políticas de monetização do YouTube.
  • Ter mais de 4 mil horas de exibição públicas válidas nos últimos 12 meses.
  • Ter mais de mil inscritos.

No site, também foram disponibilizados dados, registros e tendências atuais que surgiram no YouTube para ajudar o usuário a entender melhor a próxima geração de criadores de conteúdo e artistas.

Além disso, é possível explorar a história por trás de alguns empreendedores criativos do YouTube e descobrir como eles estão transformando a vida e a comunidade deles. Como o Douglas, que passou no vestibular. A Lays, que aprendeu sobre feminismo negro. O Igor, que encontrou dicas de produção musical. E a Fabiane, que organizou as finanças do seu negócio.

O site “Como o YouTube funciona” faz parte de um esforço de transparência da empresa, para garantir – segundo o próprio YouTube – que milhões de usuários, criadores de conteúdo e artistas possam continuar a fazer da plataforma de vídeos um lugar para se conectar com os outros, aprender sobre o mundo e mostrar seus talentos criativos.

Clique aqui para saber mais sobre “Como o YouTube funciona”; e, para conferir o relatório completo, clique aqui.

Assine nossa newsletter!

Para conferir em primeira mão os conteúdos do InovaSocial em seu e-mail, assine agora nossa newsletter.
Insira o seu e-mail