Parting Stone transforma cinzas em lindas pedras

Parting Stone transforma cinzas em lindas pedras

Criado para ressignificar um acontecimento que faz parte da passagem de todos os seres vivos pelo Universo, o Movimento da Morte Positiva acredita que é preciso aceitar aceitar que a morte é algo natural e ressalta a importância de que uma boa morte faz parte de uma vida boa, e, quando estamos em paz com essa questão, podemos viver melhor.

No InovaSocial, já falamos sobre uma série de inovações que vêm sendo desenvolvidas a respeito do tema; desde novas formas de sepultamento, como o Recompose Seattle e o Living Coffin, um dos vencedores do No Waste Challenge; até uma empresa que fornece serviços de “planejamento de fim de vida e um jogo chamado A Mortician’s Tale, que proporciona ao jogador um olhar informativo, honesto e até bem-humorado sobre o estado atual e o futuro da “indústria da morte” no Ocidente.

Leia também: Movimento da Morte Positiva: É possível inovar até quando o assunto é a morte?

Atualmente, tem sido cada vez mais comum o surgimento de novas startups focadas em fornecer produtos ou serviços que se encaixam no guarda-chuva do Movimento da Morte Positiva e esse núcleo ganhou até um nome: são as death techs. Uma delas é a Parting Stone, que transforma cinzas de seres humanos ou animais de estimação em uma coleção de itens sólidos semelhantes a pedras.

Tudo começou quando Justin Crowe percebeu que pessoas que possuíam urnas funerárias em casa costumavam falar de forma tão carinhosa sobre seus entes queridos ou seus bichinhos de estimação, mas mantinham suas cinzas em lugares como o porão num depósito, na garagem ou em um armário. Pensando nisso, Justin quis proporcionar a essas pessoas uma forma diferente de conviver com a parte física que restou de quem já partiu.

O processo de solidificação da cinza para se tornar uma “parting stone” envolve refino, formação, queima e polimento. Uma vez chegado ao laboratório da empresa, a quantidade total de restos granulares cremados são suavemente refinados em pó. A seguir, uma pequena quantidade de aglutinante é adicionada para gerar um material semelhante a argila, a partir do qual os sólidos são formados. Os sólidos são cuidadosamente colocados em um forno para solidificação e, em seguida, são polidos e devolvidos à família.

“É uma transformação da vida humana para a Natureza, o que de certa forma é empolgante”, diz Garth, em seu depoimento publicado no YouTube da empresa.

Cada “parting stone” possui uma tonalidade que é única e totalmente natural. Muitas delas resultam em um tom de branco ou um azul ou verde sutil, algumas variações apresentam tons de marrom, lavanda, mel ou possuem manchas azuis. E o resultado varia em uma “coleção” de 40 a 60 peças.

Atualmente, a empresa atende clientes dos EUA e do Canadá e o processo pode ser iniciado no próprio site da Parting Stone ou em mais de 200 casas funerárias espalhadas pelos dois países.

Para saber mais sobre o processo, confira o vídeo abaixo. No canal da empresa no YouTube também são publicados conteúdos com informações e curiosidades sobre o tema.

A New Form of Human Remains | Parting Stone™ solidified remainsA New Form of Human Remains | Parting Stone™ solidified remains