As casas modulares produzidas com plástico reciclado da Othalo

A startup norueguesa Othalo e a Un Habitat (o Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos) estão trabalhando em parceria na criação de casas modulares de baixo custo que terão sua estrutura principal e suas paredes feitas de plástico reciclado.

Segundo a Othalo, o foco inicial do projeto será a construção de moradias populares, principalmente na África Subsaariana. Atualmente, estima-se que quase um bilhão de pessoas vivam em situação de vulnerabilidade habitacional na região e, hoje, a necessidade imediata de moradias de baixo custo é de 160 milhões de unidades. E esse número, que já é muito grande, pode aumentar para 360 milhões até 2050.

Em paralelo a essa realidade, temos a questão do lixo plástico. Desde 1950, mais de 9 bilhões de toneladas de plástico foram produzidas globalmente. De montante quase infinito, apenas 9% foram reciclados. As casas da Othalo têm 60m2 e usam em sua construção 8 toneladas de lixo plástico. Fazendo uma matemática simples, com todo o lixo plástico que existe hoje no planeta, seria possível construir mais de 1 bilhão de casas.


Leia também:O ciclo de vida (quase infinito) de uma garrafa plástica


Em paralelo com o desenvolvimento das residências, a Othalo também pretende inserir em suas linhas de produtos itens como móveis de armazenamento com temperatura controlada para alimentos e medicamentos, abrigos para refugiados e edifícios modulares maiores – como escolas e hospitais. A fabricação de todos os produtos da startup deverá acontecer na região onde as residências serão construídas, usando matérias-primas locais e criando milhares de empregos no processo.

Agora, o projeto está em fase de produção dos elementos de construção e a meta é começar a construção em massa das residências no início de 2022. Para saber mais sobre o projeto, acesse o site oficial da Othalo e confira as imagens abaixo:

Assine nossa newsletter!

Para conferir em primeira mão os conteúdos do InovaSocial em seu e-mail, assine agora nossa newsletter.
Insira o seu e-mail