Intel implementa equidade salarial entre gêneros em todo o mundo

A Intel acaba de anunciar um marco importante de seu programa global de inclusão: a empresa alcançou a equidade salarial para sua força de trabalho global, além de incluir a compensação baseada em ações de mercado para nossa análise de equidade salarial.

“Nosso compromisso para alcançar a equidade salarial para homens e mulheres é fundamental para transformar a Intel em um local de trabalho verdadeiramente inclusivo o que, consequentemente, impactará o desempenho, produtividade e engajamento dos funcionários”, disse Julie Ann Overcash, vice-presidente de Recursos Humanos e diretora de Remuneração e Benefícios na Intel Corporation. “Uma força de trabalho diversificada e uma cultura inclusiva são essenciais para nossa evolução e crescimento.”

A Intel entende por equidade salarial o fim da diferença no salário médio entre funcionários de diferentes gêneros, raças ou etnias desempenhando funções iguais ou semelhantes e leva em conta fatores comerciais legítimos que possam explicar tais diferenças, como desempenho, formação e tempo de casa.

Além de expandir a equidade salarial para a sua força de trabalho global, a Intel aperfeiçoou sua metodologia para uma abordagem mais abrangente na hora de analisar os dados de pagamento das equipes e eliminar diferenças existentes. No passado, esse tipo de ajuste só era feito na parte em dinheiro da remuneração dos funcionários, ou seja, salário base e bônus. Em 2018, a empresa passou a avaliar o salário total, incluindo participação em ações da empresa.

Segundo Julie Ann, o processo de identificar e eliminar as diferenças na remuneração de homens e mulheres não é nada fácil, ainda mais levando em consideração uma força de trabalho composta por aproximadamente 107.000 funcionários distribuídos em mais de 50 países. As equipes jurídicas e de recursos humanos contaram com o apoio de uma consultoria externa e usaram técnicas de modelagem estatística para identificar os países onde havia diferenças na remuneração por gênero. Os funcionários dos países que apresentavam uma diferença salarial em relação a seus pares prontamente receberam os ajustes adequados.

Cada país tem uma legislação no que se refere à mensuração da equidade salarial. No Reino Unido, por exemplo, os dados comparam o salário médio pago a todos os homens e a todas as mulheres. O resultado dessa metodologia mostra que a Intel ainda tem poucas mulheres ocupando cargos de liderança na empresa.

“Essa é uma lacuna que nós – e o setor de tecnologia como um todo – estamos nos esforçando para eliminar”, continuou Julie Ann. “Como empresa, seguimos investindo nas oportunidades de representação e crescimento profissional das mulheres em todos os países onde a Intel atual.”

A Intel também se comprometeu a avaliar e eliminar continuamente as diferenças na remuneração para manter a equidade salarial entre homens e mulheres no mundo todo. Nos Estados Unidos a iniciativa inclui a equidade salarial por raça e etnia.

Em outubro passado, a empresa anunciou a obtenção de uma representação completa em sua força de trabalho nos Estados Unidos dois anos antes da meta, estipulada para 2020. Para a Intel, a equidade salarial global é mais um passo em sua jornada pela criação de um ambiente de trabalho mais inclusivo, onde todos os funcionários se sintam apoiados e capacitados para criar o futuro.

__

Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Mande uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br.

Receba conteúdo exclusivo

Para não perder os próximos conteúdos do InovaSocial e receber materiais exclusivo em seu e-mail, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail