Como Toronto está construindo 100 apartamentos acessíveis em 8 meses

Os impactos da pandemia atingiram, com muito mais força, as pessoas desabrigadas. Diante desse cenário, a cidade de Toronto  (Canadá) acelerou seus esforços para construir moradias de apoio permanentes, usando arquitetura modular. Após 8 meses desde o início do projeto, está prestes a ganhar 100 novos apartamentos.

O projeto foi desenvolvido através da Modular Housing Initiative, um projeto da cidade canadense que consiste em utilizar terrenos públicos para construir mais moradias. O projeto tem como meta a construção de 40.000 unidades de moradias populares até 2030. Das 40.000 residências, 18.000 são destinadas como habitações de apoio, incluindo o acesso local a serviços sociais e de saúde para pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade habitacional.

Atualmente, quase 7.000 pessoas são atendidas no sistema de abrigos de Toronto. E a habitação de apoio permanente, financiada pelo governo, tem a metade do custo de cuidar do mesmo número de pessoas em um abrigo de emergência, onde centenas contraíram o coronavírus.

Toronto adotou a construção modular, pois é uma solução acessível para abrigar essa comunidade, da mesma forma que faz com que permite que o projeto seja concluído em muito menos tempo. Segundo  Daniel Ling, diretor da empresa local responsável pelo projeto, a Montgomery Sisam Architects, um projeto semelhante construído convencionalmente levaria de três a quatro meses para ser elaborado, outros cinco meses para toda a documentação do projeto e depois outros 12 meses para a construção. Padronizar os apartamentos, construí-los como unidades modulares em uma fábrica, transportá-los até o local e colocá-los em posição, são passos de uma abordagem de construção que otimiza processos que levariam muito mais tempo se fossem totalmente construídos no local. Com a média de 100 unidades neste projeto modular, cada apartamento custa cerca de US$ 190.000,00 – desde o desenvolvimento até a construção.

As 100 unidades do projeto serão colocadas em dois locais, formando dois edifícios de três andares cada, localizados em um bairro residencial da cidade. A construção de um dos edifícios está quase concluída e o segundo estará concluído em algumas semanas. Os novos residentes devem se mudar o mais rápido possível.

Para Ling, a velocidade desse tipo de projeto depende da determinação do governo da cidade em resolver rapidamente o problema da falta de moradias, mas também mostra o quão viável é a construção modular para uso em outros projetos de habitação a preços acessíveis.

“Por causa da pandemia há uma necessidade imediata de acomodar essas pessoas em suas novas casas rapidamente, tirá-las das ruas, dos abrigos e colocá-las em um lugar seguro, mas acredito que a longo prazo isso possa inspirar outro tipo de moradia acessível além da moradia de apoio.”

Para conferir mais imagens do projeto, confira o material abaixo:

Assine nossa newsletter!

Para conferir em primeira mão os conteúdos do InovaSocial em seu e-mail, assine agora nossa newsletter.
Insira o seu e-mail