Estônia expande primeira residência digital do mundo para o Brasil

Estônia expande primeira residência digital do mundo para o Brasil

O programa de e-Residency do governo da Estônia, primeira iniciativa de residência digital do mundo, anunciou o lançamento de quatro novos ‘pontos de coleta’ internacionais em três continentes, acompanhando o aumento de nômades digitais, resultado da pandemia COVID-19. Os novos locais também atendem às demandas crescentes de empresários locais, que buscam expandir seus negócios internacionalmente e se expandir para o mercado europeu. Com a adição de pontos de coleta em São Paulo, Bangkok, Cingapura e Joanesburgo, os cartões de e-Residency agora estão disponíveis em cerca de 50 locais no mundo todo. Sendo o epicentro de uma rede de 80.000 nômades digitais, o anúncio de hoje demonstra o compromisso contínuo da Estônia em capacitar freelancers, empresários, empreendedores e trabalhadores independentes de todo o mundo.

E-Residency é a primeira startup do governo da Estônia e, desde 2014, o programa tornou-se internacionalmente conhecido por inovar na forma como os governos pensam e interagem com empresários estrangeiros. Com um número estimado de nômades digitais em cerca de 5 a 10 milhões, a necessidade de inovação se tornou urgente. Cada membro da comunidade de e-Residency, que recebeu uma ID digital de residente eletrônico, tem um meio seguro de identificação digital que lhes concede acesso aos serviços eletrônicos da Estônia, permitindo que assinem documentos digitalmente e iniciem e gerenciem seus negócios na União Europeia 100% online a partir de qualquer localização. O lançamento de quatro novos pontos de coleta é reflexo do número crescente, em escala internacional, de profissionais que não dependem de localização fixa, aumentando a acessibilidade para aqueles que residem fora da Europa.

O Brasil tem o maior número de aplicações à e-Residency na América do Sul e está na lista dos 50 principais países que se candidatam, ao lado da África do Sul e Cingapura. As cidades de São Paulo, Bangkok, Cingapura e Joanesburgo também atenderam aos critérios definidos pela e-Residency, que identificou as regiões como hotspots de trabalho remoto; paraísos para fundadores de startups e profissionais sem fronteiras que surgiram com velocidade cada vez maior desde a pandemia. A incerteza de trabalho criada pelo COVID-19 também fez com que mais pessoas a começarem a trabalhar por conta própria, tornando a residência eletrônica uma opção para expandir negócios.


Leia também: Estônia: Um país 4.0 e com a melhor educação do Ocidente


O governo da Estônia firmou uma parceria com a BLS International para emitir cartões de e-Residence no Brasil, em Cingapura, Bangkok, Tóquio e Joanesburgo. O BLS é um parceiro de serviços habilitados para tecnologia global e de confiança para governos e cidadãos em todo o mundo, tendo uma boa reputação no domínio de visto, passaporte, consular, cidadão, governança eletrônica, atestado, biométrico, e-visa e serviços de varejo com mais de 46 governos. Um player listado no mercado indiano, a BLS escalou seus serviços em mais de 66 países. A empresa tem experiência em lidar com projetos semelhantes com outros governos em todo o mundo.

“Estamos muito animados com o anúncio de nossos novos pontos de coleta na África, América do Sul e Ásia. Expandir nossa rede digital e física e também capacitar negócios são sempre uma prioridade para nós, e este lançamento está em andamento há algum tempo. Empreendedores, empresários e freelancers de todo o mundo têm muito a oferecer e esperamos que tornar o processo mais fácil para ingressar na e-Residency incentive mais deles a nos escolher para ajudar no crescimento de suas empresas.”, diz Lauri Haav, Diretor Executivo da e-Residency.

Kersti Kaljulaid, a presidenta da Estônia, disse: “Embora a pandemia global tenha limitado nossa capacidade de viajar, trabalhar e fazer negócios além das fronteiras, ela também acelerou a transformação digital entre governos, empresas e freelancers. À medida que mais pessoas optam por viver e trabalhar sem ficar presas a um único lugar, há uma necessidade crescente de uma caixa de ferramentas digitais livre de localização para apoiá-las. Como o primeiro Estado digitalmente transformado do mundo, a Estônia tem o prazer de receber ainda mais freelancers, empresários, proprietários de negócios e trabalhadores independentes de todo o mundo para se juntarem ao nosso programa de e-Residency. ”


Para saber mais e fazer sua aplicação, acesse o site oficial da e-Residency.


What is e-Residency?What is e-Residency?