3 cidades que estão priorizando meios de transporte sustentáveis

3 cidades que estão priorizando meios de transporte sustentáveis

Atualmente, o planeta sustenta cerca de 34 megacidades (que abrigam mais de dez milhões de habitantes). Atualmente, mais de 50% da população global vive em cidades. Em 2045, a população urbana mundial – que hoje corresponde a cerca de 4,2 bilhões de pessoas –, chegará a 6 bilhões.

Para lidar com esse crescimento, gestores dessas áreas devem agir rapidamente para se planejar e fornecer os serviços básicos, a infraestrutura e as moradias populares que sua população em expansão precisa.

O aumento da população que vivem nas áreas urbanas significa o aumento das emissões de CO2 causadas pelo transporte. E é importante lembrar que, globalmente, o transporte continua sendo um dos principais contribuintes pela emissão de gases de efeito escudo nos centros urbanos.

Dentro desse cenário, por meio de um planejamento urbano inteligente, cidades ao redor do mundo estão trabalhando para melhorar a qualidade de vida dos residentes e, ao mesmo tempo, combater as emissões de carbono. Mas como isso é possível? De acordo com o C40, uma rede global de cidades comprometidas com o combate às mudanças climáticas, a mudança começa priorizando pessoas ao invés de carros.

Conheça 3 cidades ao redor do mundo que estão dando passos importantes para proporcionar uma forma mais sustentável de transporte ao seus residentes.

Leia também: “Como as cidades estão desintoxicando os transportes?” e mais TED Talks

Bogotá, Colômbia

Bogotá, na Colômbia, está reduzindo suas emissões usando duas ferramentas principais: ônibus e bicicletas. A TransMilenio é uma rede de rotas de ônibus de trânsito rápido inaugurada em 2000, que, em 10 anos, reduziu as emissões de gases de efeito estufa da cidade em cerca de 40%. Hoje, seus 1.500 ônibus transportam cerca de 1,5 milhão de passageiros por dia. A cidade também é conhecida por converter as ruas em vias para bicicletas sem carros nas manhãs de domingo, e possui a maior taxa de viagens intermunicipais feitas de bicicleta entre todas as cidades latino-americanas.

Ainda assim, o transporte continua sendo responsável por quase metade das emissões de gases de efeito estufa de Bogotá. Para incentivar ainda mais o ciclismo como meio de transporte, a atual prefeita Claudia López Hernández planeja converter permanentemente 84km de ruas em ciclovias, com o objetivo de os trabalhadores essenciais a viajar pela cidade de forma mais rápida. A medida deve ajudar a cidade a aumentar seus índices de viagens feitas de bicicleta de 7% para uma meta de 50%.

Montreal, Canadá

A área da Grande Montreal já possui cerca de 3.000km de ciclofaixas e ciclovias. Em junho de 2020 até o outono de 2020 – em um esforço para abrir a cidade após meses de lockdown devido à pandemia de coronavírus –, as autoridades fecharam uma série de ruas principais da cidade para carros e outros tipos de tráfego motorizado. Abrangendo 327km, essa medida foi tomada para incentivar os residentes a viajar ativamente conectando ciclistas a parques, principais centros comerciais e ciclovias existentes (como a Express Bike Network).

Para reduzir ainda mais as emissões e o congestionamento no centro comercial da cidade, Montreal investiu em serviços de entrega por bicicletas e veículos elétricos, bem como em novos espaços verdes. Como o Grand Parc de l’Ouest, que tem sua inauguração prevista para 2030 e será o maior parque municipal do Canadá.

Tshwane, África do Sul

A cidade de Tshwane está trabalhando para melhorar a vida urbana e a acessibilidade para todos os seus residentes. Embora a caminhada já seja um meio de transporte popular, responsável por 29% de todas as viagens, a cidade lançou várias iniciativas para incentivar o ciclismo.

Isso inclui ruas sem carros, idas comemorativos que incentivam o uso da bicicleta para se locomover até o trabalho e um projeto piloto de compartilhamento de bicicletas com bikes convencionais e elétricas. A cidade também mantém o projeto Shova Kalula, que busca objetivo melhorar a acessibilidade e fomentar a cultura do ciclismo, através do fornecimento de bicicletas gratuitas para pessoas que vivem em áreas de baixa renda fora de Tshwane.

Viver em grandes cidades muitas vezes significa ter que fazer longas viagens, transitar por ruas barulhentas e espaços pequenos. E se existisse uma forma de mudar isso? Para complementar o conteúdo que você acabou de ler, nossa recomendação é o TED Talk de Carlos Moreno, cientista franco-colombiano, que te apresenta “a cidade de 15 minutos”.

__

Créditos: Imagem Destaque – Gabriel Leonardo Guerrero