Programa quer ajudar empreendedores sociais a gerarem mais impacto

Programa quer ajudar empreendedores sociais a gerarem mais impacto

Empreendedores sociais de todo o país e pessoas que desejam iniciar um projeto de impacto positivo têm até a próxima quinta-feira, 12 de agosto, para fazer inscrição no Empreendedorismo Social na Real, um programa de formação desenvolvido pela AGO Social, negócio que atua nas áreas de investimento, formação e conexões para o ecossistema de impacto.

O Programa foi criado para fazer empreendimentos sociais crescerem e gerarem mais impacto com sustentabilidade financeira. São oito semanas de aulas ao vivo sobre inovação social, pensamento empreendedor, viabilidade financeira, avaliação e investimento de impacto, além de mentorias individuais e coletivas.

A condução é feita por especialistas e empreendedores sociais como Matheus Cardoso (Moradigna), Juliana Mitkiewicz (Lab Cidades/Insper), Gustavo Fuga (4YOU2), Orlando Nastri (Instituto Votorantim) e Lina Maria Useche (Aliança Empreendedora). Pessoas que tiverem restrições financeiras podem pleitear uma bolsa de estudo entrando em contato pelo WhatsApp (41) 99511-8220.

Estudo mapeia os principais desafios enfrentados por empreendedores sociais

Entre os principais desafios enfrentados por empreendedores sociais brasileiros, ganham destaque a insegurança sobre como tirar a ideia do papel e a necessidade de capital para viabilizar a execução dos projetos ou expandir a atuação. É o que mostrou um levantamento realizado pela AGO Social. Entre os meses de junho e julho, foram consultados 158 empreendedores sociais de 74 cidades e 20 estados, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Bahia e Maranhão.

O questionário foi respondido durante as inscrições para a 1ª edição do evento Vozes do Empreendedorismo Social e dividiu os participantes em duas categorias: empreendimento em estágio inicial de implementação ou apenas em idealização; e negócios que estão em operação há pelo menos seis meses ou mais maduros, em fase de consolidação e expansão. Das 158 pessoas inscritas, 80 afirmaram que estão na fase inicial. A maior parte delas relatou ter duas grandes dificuldades: conhecer ferramentas que permitam tirar a ideia do papel e receber orientações para saber se estão no caminho certo.

“O sentimento de insegurança é muito comum nesta etapa, por isso, é fundamental ter uma rede de contatos e abrir relacionamentos para aprender com a experiência de outros empreendedores. Além disso, é muito importante começar pequeno, mas pensar grande, sabendo correr riscos calculáveis que permitam se adaptar ao longo do caminho”, explica o cofundador da AGO Social, Alexandre Amorim, considerado em 2018 um dos jovens mais influentes no terceiro setor do país, pela Forbes Under 30.

Investimento e expansão

Para os 78 empreendedores cuja iniciativa está em fase mais madura, a principal dificuldade é atrair investidores. Compra de equipamentos, desenvolvimento de plataformas digitais e criação de estratégias de marketing são algumas das atividades que demandam aporte financeiro para serem executadas, de acordo com as respostas. Apesar dos exemplos citados, a maioria desses empreendedores não conseguiu dizer como um possível aporte seria aplicado.

“Percebemos que muitos deles não expressaram de maneira clara e quantitativa como o investimento seria utilizado e como se reverteria em expansão de impacto. Isso, certamente, diminui as chances de conseguir apoio”, finaliza Amorim.

As inscrições para o programa Empreendedorismo Social na Real vão até 12 de agosto, clique aqui para saber mais.

Lançamento: Empreendedorismo Social Na RealLançamento: Empreendedorismo Social Na Real

__

Créditos: Imagem Destaque – fizkes / Shutterstock