Programa Empreenda ensina sobre empreendedorismo gastronômico e gera novos negócios no PR

Programa Empreenda ensina sobre empreendedorismo gastronômico e gera novos negócios no PR

Um novo capítulo na vida de Claudirene França e seu filho Emanoel, de 11 anos, diagnosticado com autismo. Sem poder trabalhar fora por cuidar do filho em casa e acompanhá-lo nas consultas médicas, Claudirene via o marido se desdobrar para dar conta das despesas. Com isso, seu maior sonho parecia ficar cada vez mais distante: conseguir pagar um tratamento alternativo para Emanoel. Essa situação mudou em 2020, quando Claudirene teve a oportunidade de participar do Programa Empreenda, iniciativa social e gratuita que empodera pessoas com deficiência e suas famílias, incentivando a autonomia e promovendo o desenvolvimento por meio do empreendedorismo gastronômico.

“Foi aí que tudo mudou. Eu, que nunca pensei em empreender, agarrei essa chance e consegui me aperfeiçoar”, relembra Claudirene, que esporadicamente fazia bolos para vender e, a partir das capacitações, viu que essa poderia ser uma possibilidade de negócio para desenvolver sem sair de casa. Foi então que nasceu O Mundo Doce da Clau, que vende doces e bolos artesanais em Araucária (PR). O resultado deu tão certo que Claudirene conseguiu atingir seu propósito.

“Graças ao Programa Empreenda e ao trabalho que eu desenvolvo, hoje posso pagar para o meu filho o tratamento que ele precisa e vejo como isso mudou a nossa vida. Agora ele é um menino mais tranquilo, vai para a escola, tem interesse em estudar e até me ajuda na organização da cozinha. Inclusive, gosta de fazer propaganda dos meus bolos”, conta Claudirene com orgulho. “Atualmente, eu tenho uma receita bruta de R$ 1 mil a R$ 1.300 por semana. Vendo muito bem e, com isso, consegui colocar as contas em dia e a gente até se mudou para um lugar melhor, mais perto do centro da cidade. Em breve vou conseguir abrir uma loja”.

Para Claudirene, um dos grandes diferenciais do Programa Empreenda é o acompanhamento individual com mentores. “Quem me acompanhou foi o Bryan Muller, da Olha o Peixe!. Ele teve muita paciência, viu o que eu precisava, me ensinou a organizar gastos e transmitiu muito da experiência profissional que ele tem. Às vezes a gente se acha incapaz de fazer as coisas, mas basta uma oportunidade para enxergar além e ver que nossos sonhos podem dar certo”.

Empoderamento, renda e qualidade de vida

Realizado desde 2019 pela organização social ASID Brasil, em parceria com a empresa Risotolândia, o Programa Empreenda já beneficiou mais de 40 mães de crianças com deficiência na região de Araucária, no Paraná. Somente na edição 2021, por meio de capacitações no formato on-line, 12 mulheres criaram o próprio negócio ou aperfeiçoaram projetos que já estavam em andamento. Ao todo, foram mais de 25 horas de capacitação, divididas em 14 aulas. Para além de conhecimento técnico em vendas, gestão, marketing, boas práticas em gastronomia e outros temas, as mulheres contempladas pelo programa ganharam autoconfiança e passaram a acreditar nos seus sonhos.

“Quando olhamos para famílias de pessoas com deficiência, há muitos casos de que a mãe passa a acompanhar seu filho em seus atendimentos na área de saúde e escolar, tornando a rotina incompatível com a exigência do mercado de trabalho. Nossa proposta é gerar empoderamento, renda e mais qualidade de vida”, explica a coordenadora de projetos da ASID, Caroline Ferronato.

“Comecei a me ver como empreendedora”

Jucivane Freitas é manauara e mora no Paraná com o marido e dois filhos há cerca de 1 ano.  A decisão pela mudança se deveu às necessidades de tratamento do pequeno José, que vai fazer três anos e nasceu com síndrome de Down. “Tive que sair do emprego para cuidar dele e fiquei sem renda. Só o meu marido, que é autônomo, ficou trabalhando para dar conta de todas as despesas. Eu ainda tentei voltar para o mercado de trabalho, mas não deu certo. Os patrões não queriam uma funcionária que tinha que sair do expediente para levar o filho ao médico e à fisioterapia”, relembra Jucivane.

Por um grupo de mães no Whatsapp, Jucivane descobriu o Programa Empreenda e entrou para a turma de 2021. “Eu pensava que era um curso de culinária, mas foi muito além do que eu esperava. Me empolguei com todas as aulas, comecei a me ver como empreendedora e tive a ideia de fazer kits com bolo, balões e decorações para festas. Fiz uma etapa de teste com amigos e deu super certo, já me sinto preparada para começar. Uma das coisas que mais gostei de aprender foi separar o que é dinheiro meu com o que é dinheiro da empresa, isso me deu uma visão muito mais profissional”, comenta. “Hoje tenho certeza de que posso fazer muita coisa. Me sinto mais confiante e forte, principalmente porque o programa também me aproximou de uma rede de apoio com outras mães. Me senti muito acolhida”, completa Jucivane.

Para conhecer o trabalho da ASID Brasil e saber mais sobre os desafios de unir empresas, voluntários, instituições e pessoas com deficiência para construir uma sociedade mais inclusiva, ouça o episódio #44 do podcast do InovaSocial, onde conversamos com Matheus Garcia, diretor comercial da ASID Brasil.

__

Créditos: Imagem Destaque – M_Agency / Shutterstock