20 tendências e tecnologias inovadoras para 2017

Quais são os fatores que irão influenciar o futuro das indústrias, organizações e profissionais? Segundo 77% dos CEOs entrevistados pela PwC, no estudo “Tech breakthroughs megatrend: How to prepare for its impact”, o principal fator são as novas tecnologias. Não é à toa. Se pegarmos os vídeos via streaming como exemplo, eles impactam diretamente nos negócios de vídeo (televisão, por exemplo), mas também atingem agências de publicidade, que precisam se adaptar para produzir conteúdo ao vivo em redes sociais. É um efeito dominó.

A Induct, empresa norueguesa de inovação, reuniu 20 tendências tecnológicas que impactarão diversos mercados a partir de 2017. A lista é separada em 3 categorias. Abaixo você confere a apresentação da Induct e os comentários do InovaSocial.

  • Tecnologias maduras (hoje): São tecnologias já existentes, mas que ainda não possuem tanta penetração. Elas têm sido tendência nos últimos 5 ou 10 anos, mas as empresas ainda exploram pouco.

Soluções de e-commerce: No Brasil, as vendas em e-commerce cresceram 15,3%. Quando comparado com o varejo restrito no Brasil (medido pelo IBGE), o e-commerce representou apenas 3,3% das vendas totais no país. Ainda existe um amplo mercado para ser explorado e os e-commerce focados em negócios sociais ainda é muito pequeno no Brasil.

Compras via celular e redes sociais: No final de 2015, a penetração dos aparelhos celulares era de 97%. No Brasil, o número de aparelho teve queda, mas ainda são 244 milhões de unidades. As vendas via redes sociais ainda é minúscula no país, mas os pequenos varejistas têm encontrado uma oportunidade nas vendas via WhatsApp.

Streaming de vídeo: Com certeza uma das tecnologias que mais cresceu em 2016. Segundo o Facebook, as visualizações atingiram mais de 8 bilhões. Atualmente existem vários competidores no mercado: Twitter (Periscope), Facebook (Live), Instagram (Stories) e Youtube.

Mensagem instantânea: Estima-se que os números de usuários cheguem a 2 bilhões em 2018. Plataformas como WhatsApp, Facebook Messenger, Viber e WeChat (com grande penetração no mercado chinês) devem movimentar mais conversas do que as redes sociais tradicionais. Onde existe conversa, existe vendas e mercado pulsante.

Cloud Computing: Serviços como Google Drive e outros ainda não são a realidade da grande maioria dos usuários brasileiros. A questão não está no âmbito financeiro, mas no costume. Guardar seus dados na nuvem? Longe do computador? Ainda parece uma realidade do futuro distante. Para empresas e ONGs isso representa diminuição de custos e consumo de papel.

Automatização: Loja como a Amazon Go parecem ter saído de um filme de ficção científica, mas já é realidade, basta mudarmos nosso hábito de consumo. Tecnologias como o NFC (inventado há 15 anos) já permitem a automatização de diversos processos. Em São Paulo, a Zona Azul digital já permite que o carro seja estacionado na rua e o pagamento seja feito online, diminuindo as chances de fraudes.

  • Tecnologias de Diferenciação (em breve): São tecnologias existentes, mas ainda em fase de protótipo ou bem inicial. Devem crescer em 2017.

Big Data e Análise em tempo real: Segundo a Induct, o mercado de Big Data deve crescer cerca de 11,7% ao ano em 2020. Este tipo de tecnologia ainda depende de ferramentas e hardwares de alto custo.

Videogames: A indústria de games é a que mais fatura no mercado de entretenimento (US$ 91 bilhões contra US$ 38 bilhões do cinema). Apesar do enorme mercado, ainda existe espaço para muito desenvolvimento, principalmente com a chega das tecnologias de realidade virtual e no mercado brasileiro.

Wearables: Segundo a e-Marketer, dois em cada cinco usuários de internet usará um wearable em 2019. Talvez seja uma das principais tendências do campo da inovação social.

Materiais biodegradáveis e impressão 3D: Enquanto a impressão 3D deve movimentar 12 bilhões de dólares em 2018, os materiais biodegradáveis já são uma realidade atual. Junte os dois e teremos excelentes soluções.

Drones: Apesar de encontrarmos estes aparelhos em casa, os drones devem ganhar destaque ao atingirem a forma autônoma. Um exemplo interessante foram os quadcópteros, da Intel, usados durante a final do Super Bowl 51 para o show da cantora Lady Gaga. Foram mais de 300 drones sincronizados e controlados por apenas um piloto.

Realidade virtual e aumentada: Os óculos de VR têm se tornado os queridinhos da indústria de entretenimento. Com jogos e vídeos em 360º, fabricantes como Samsung, Google, Amazon e Facebook estão construindo as suas próprias soluções. No campo da medicina, estes tipos de tecnologias devem facilitar a simulação de operações e outros procedimentos médicos.

  • Tecnologia de Exploração (no futuro): São tecnologias ainda em fase de desenvolvimento e que devem surgir nos próximos 5 ou 10 anos.

Chatbots, inteligência artificial e robôs colaborativos: A evolução da inteligência artificial ajudará nos mais diversos campos de atuação. Do processamento de dados, como a Operação Serenata de Amor, passando pelo suporte de idosos e chegando aos serviços de atendimento ao consumidor (SAC), os dispositivos autônomos mudarão o nosso jeito de trabalhar, consumir e, até mesmo, viver.

___
Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Mande uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br

Receba conteúdo exclusivo

Para não perder os próximos conteúdos do InovaSocial e receber materiais exclusivo em seu e-mail, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail