A empatia como ponte do autismo e da dislexia

O que movimenta a inovação social? A resposta para esta pergunta pode ser infinita, mas se fosse escolher uma capacidade universal, seria o fato de sentirmos empatia. Entender o sentimento e/ou a necessidade de outro indivíduo talvez seja um dos fatores para identificarmos necessidades e tentar resolvê-las.

Heeju Kim, aluna da Royal College of Art, uma das universidades mais bem reconhecidas do mundo, criou o kit “An Empathy Bridge for Autism” (em tradução livre, “Uma ponte de empatia para o Autismo”). Composto por seis pirulitos (que impedem o movimento da língua de diversas formas, a fim de reproduzir a dificuldade na fala), fones de ouvido (que simulam a sensibilidade do ouvido de autistas) e um aplicativo de realidade aumentada, o kit tem como propósito colocar pessoas comuns no “universo” de um autista e foi, propositadamente, desenvolvido com materiais de baixo custo, com o objetivo de tornar o kit algo fácil de ser reproduzido e compartilhado.

Segundo a designer, “pessoas com autismo muitas vezes não conseguem bloquear o ruído de fundo, de modo que dificulta a comunicação”. Kim também afirma que possui um irmão com autismo e isso o levou a investigar formas de aumentar a compreensão desta condição. O vídeo abaixo mostra a reação de algumas pessoas com o kit.

empathy-bridge-autism-tecnologia-social-inovasocial-02

A parte interessante é que este não é o primeiro projeto de empatia produzido por um designer de Londres. Em 2015, o inglês Baniel Britton desenvolveu uma fonte baseado na dislexia. Confundida com a dificuldade de aprendizagem, a dislexia é um transtorno que só entende quem tem. Diagnosticado no ano anterior, Daniel Britton percebeu que seus professores e colegas da London School of Communications não entendiam como era ser portador do transtorno. Foi pensando nesse fator, que o designer decidiu desenhar a fonte Dyslexia.

Usando a Helvetica como base, uma tradicional e mundialmente conhecida tipografia suíça, o designer subtraiu 40% de cada letra. Apesar de não ser nada científico, o designer conseguiu expressar para os colegas como é conviver com a dislexia.

fonte-dislexia-tecnologia-social-inovasocial

___

Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Envie uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br

Deixe uma resposta

Receba conteúdo exclusivo

Para não perder os próximos conteúdos do InovaSocial e receber materiais exclusivo em seu e-mail, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail