Universidade Estadual de Michigan cria dedo falso para tornar identificação de digital mais segura

Cientistas criaram um dedo falso muito realista, que pode contribuir para uma melhora na tecnologia de identificação de impressões digitais.

A identificação por impressão digital é algo que faz cada vez mais parte de nossa realidade, mas esse recurso continua sendo a parte mais vulnerável quando falamos da segurança de smartphones. Dedos falsos já existem, mas agora pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan criaram uma versão mais avançada que pode ser usada para testar scanners digitais e torná-los mais difíceis de hackear.

Criar dedos falsos para hackear celulares não é algo incomum para Anil Jain, autor do estudo. Em 2016, ele desenvolveu em seu laboratório a reprodução do dedo de um homem morto, para que a polícia pudesse desbloquear seu celular. O time teve sucesso na segunda tentativa.

dedo-falso-universidade-estado-michigan-segurancao-impressao-digital-inova-social-02

Para o dedo produzido no estudo publicado, o time de Anil usou uma impressora 3D para criar um molde, e o dedo é composto por diferentes tipos de silicone e pigmentos. Para entender por que o novo dedo é melhor que o produzido em 2016, precisamos entender os tipos de tecnologias existentes hoje. Leitores de impressões digitais usam diferentes métodos de identificação. Alguns são scanners óticos que basicamente tiram uma foto da impressão digital e verificam se ela combina com as que estão registradas em seu arquivo. Outros usam a condutividade elétrica da pele para criar a imagem. E um outro método existente é o ultrassom, onde um leitor pressiona o dedo para poder fazer a leitura por meio de um sensor.

dedo-falso-universidade-estado-michigan-segurancao-impressao-digital-inova-social-01

O novo dedo criado pela equipe de Anil tem as propriedades óticas, elétricas e mecânicas de um dedo real – ao contrário da maioria dos dedos falsos. Eles podem ser usados para testar a precisão dos leitores. A ideia do novo dedo é que ele possa ser usado para ajudar designers a produzir seus leitores de forma mais precisa e sensível.

O próximo passo da equipe de Anil será o desenvolvimento de seu próprio leitor de impressões digitais, para testarem o quão bom os dedos falsos são. Enquanto isso, o mundo está adorando o novo recurso do iPhone que usa tecnologia de reconhecimento facial; e nós nos perguntamos: Qual solução a equipe de Anil Jain criará para isso?

Para saber mais sobre o estudo, assista ao vídeo abaixo:

___

Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Envie uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br

Receba conteúdo exclusivo

Para não perder os próximos conteúdos do InovaSocial e receber materiais exclusivo em seu e-mail, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail