Guia da Mudança Climática – Parte I: Como tudo começou?

Durante décadas, cientistas cuidadosamente acumularam dados que confirmam o que esperávamos que não fosse verdade: as emissões de gases do efeito estufa que saem de carros e aviões e fábricas, as tecnologias que impulsionaram um período maciço de crescimento econômico, tiveram um custo enorme à saúde do planeta. Hoje, sabemos que, sem qualquer mudança em nosso comportamento, a temperatura média global subirá até 4 ºC até o final do século. O nível médio do mar aumentará em até 2 metros. Junto com essas mudanças virão mudanças radicais nos padrões climáticos em todo o mundo, fazendo com que comunidades costeiras e regiões equatoriais sejam afetadas para sempre – e se tornem potencialmente inabitáveis.

Já estamos vendo os efeitos de um clima radicalmente alterado, de temporadas prolongadas de incêndios florestais a agravamentos de tempestades – embora seja improvável que qualquer anomalia climática individual seja apenas o resultado de emissões industriais. Felizmente, parece que a maioria dos países do mundo está engajada na discussão sobre a mudança climática, onde a questão atual ser abordada é: O que fazemos agora? O acordo climático de Paris de 2015 marcou um ponto de virada na conversa sobre esse desafio planetário. A energia renovável na forma de energia eólica e solar está realmente se tornando competitiva com os combustíveis fósseis. E as maiores cidades do mundo estão fazendo escolhas políticas sustentáveis. Cientistas e gestores políticos também estão começando a explorar toda uma gama de esforços de última hora para manipular diretamente o ambiente. Para manter o clima da Terra habitável, talvez precisemos nos preparar para uma nova era de geoengenharia.

Como esta mudança climática global começou

Se quisermos voltar ao começo, poderemos ir até a Revolução Industrial – o ponto após o qual os cientistas do clima começaram a ver uma mudança global nos níveis de temperatura e dióxido de carbono atmosférico. No final dos anos 1700, quando as fábricas a carvão começaram a produzir aço e tecido, os Estados Unidos e outros países desenvolvidos começaram a produzir seus subprodutos. O carvão é um combustível rico em carbono, então quando ele é queimado, temos o dióxido de carbono. Outros combustíveis com bases de carbono, como o gás natural, fazem o mesmo em proporções diferentes.

Quando essas emissões entravam na atmosfera, agiam como uma manta isolante, impedindo que o calor do sol escapasse para o espaço. Ao longo da história, os níveis atmosféricos de dióxido de carbono variaram – muito. Antigos modelos de atividade climática, centenas de milhões de anos atrás, elevaram os níveis de dióxido de carbono a várias milhares de partes por milhão. Nos últimos meio milhão de anos, esse índice flutuou entre 180 e 300 partes por milhão. Mas essa variação não aconteceu tão rápido. Hoje, o CO2 atmosférico está em 407 ppm – cerca de uma vez e meia maior do que há apenas dois séculos. E sabemos com certeza que o gás extra de efeito estufa é causado pela atividade humana, uma vez que a análise dos isótopos de carbono na atmosfera mostra que a maior parte do CO2 extra é proveniente de combustíveis fósseis.

guia-mudanca-climatica-inovasocial-01
A radiação do sol atinge a atmosfera da Terra. Alguns desses raios aquecem a superfície da Terra (A), enquanto outros saltam de volta para o espaço (B). Parte da energia, no entanto, é absorvida por moléculas de gases de efeito estufa – dióxido de carbono, água, metano e óxido nitroso –, que impedem sua fuga (C). Com o tempo, a energia presa contribui para o aquecimento global.

O resultado: clima extremo. Há aquecimento global, claro; a temperatura média da Terra aumentou 1,1 ºC desde o final do século XIX. Mas esse problema vai mais além. À medida que os oceanos absorvem o calor e as calotas polares se fundem, as estações de furacões se tornam mais severas à medida que a água quente dos oceanos empurra o ar quente e úmido para a atmosfera. O nível do mar sobe – foram cerca de 20cm no século passado. E taxa dessas mudanças está aumentando criticamente.

Talvez a consequência mais visível da mudança climática esteja ocorrendo na Califórnia. Nos últimos anos, os incêndios florestais aumentaram de forma mensurável, graças à mudança climática. Eles queimam mais e mais rápido, levando a catástrofes como a Camp Fire, ao norte de São Francisco, que destruiu a cidade de Paradise, de 27.000 habitantes, tornando-se o mais violento e destrutivo incêndio na história do estado. Geralmente a Califórnia deve ter pelo menos um pouco de chuva no outono do hemisfério Norte, que reidrata a vegetação, mas não mais. Esse clima seco coincide com os ventos sazonais que chegam do Leste, secando ainda mais a vegetação e aumentando a força dos incêndios.

Tudo isso levou 97% dos cientistas do clima a concordarem que as tendências de aquecimento são muito provavelmente o resultado da atividade humana. E em 1988, a maior parte da pesquisa levou à fundação do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática das Nações Unidas, que agora publicou cinco relatórios de avaliação que documentam toda a informação científica, técnica e econômica disponível sobre a mudança climática. O quarto relatório, em 2007, foi o primeiro a afirmar claramente que o clima estava se aquecendo de forma inequívoca – e que os gases causadores do efeito estufa criados pelos humanos eram muito provavelmente os culpados.

Mas só porque o painel chegou a um consenso, não significa que todo mundo agiu. Em 2009, os cientistas do clima tiveram seu próprio escândalo do WikiLeaks, quando os negadores do clima divulgaram uma série de e-mails de cientistas, incluindo o famoso “gráfico taco de hóquei”, de 1999, mostrando uma forte recuperação da temperatura global após a Revolução Industrial. mais nítido que os muitos aquecimentos e resfriamentos globais que a Terra já viu. Trechos desses e-mails, retirados do contexto, mostraram que o pesquisador Michael Mann supostamente conspirava para manipular estatisticamente seus dados. Colocando os trechos de volta no contexto, isso não acontecia.

A discussão política continua questionando o consenso dos cientistas sobre os dados que apoiam o conceito de mudança climática causada pelo homem, motivados pelos incentivos financeiros da indústria de combustíveis fósseis. Mas em 2015, líderes mundiais pareciam transcender essas disputas. Em 12 de dezembro, após duas semanas de deliberações na 21ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em Le Bourget, na França, 195 países firmaram o Acordo de Paris; que tem como objetivo manter o aumento da temperatura média global abaixo de 2 ºC em relação aos níveis pré-industriais e garantir esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC. Isso acontece ao fazer com que cada país apresente um compromisso de reduzir as emissões e, coletivamente, arcar com o ônus econômico de uma mudança dos combustíveis fósseis – embora reconheça que os países em desenvolvimento não teriam uma certa quantia de crescimento se tivessem que abrir mão de energia barata.

Em 4 de novembro de 2016, o Acordo de Paris entrou oficialmente em vigor, apenas quatro dias antes de Donald Trump ser eleito presidente dos Estados Unidos em uma promessa de campanha para sair do acordo. E em 1º de junho de 2017, Trump cumpriu essa promessa, dizendo que “os Estados Unidos se retirarão do Acordo Climático de Paris, mas começarão as negociações para retomar o Acordo de Paris ou uma transação realmente nova nos Estados Unidos, seus negócios, seus trabalhadores, seu povo, seus contribuintes. Então estamos saindo. Mas vamos começar a negociar e vamos ver se podemos fazer um acordo justo. E se pudermos, isso é ótimo. E se não pudermos, tudo bem.” Tecnicamente, os EUA permanecem no acordo até 2020, que é o prazo mais próximo que o país pode se retirar oficialmente.

Números

1,9 milhões: Número de casas nos EUA que podem acabar submersas se o nível do mar aumentar 2 metros até 2100, como sugerem as projeções. A área de Miami seria particularmente devastada: quase 33 mil casas acabariam submersas, com uma perda total de US$ 16 bilhões.

13,2%: Queda da quantidade de gelo do mar ártico por década desde 1980. O derretimento do gelo marinho e das camadas de gelo causam uma espiral de aquecimento: por ser branco, o gelo lança luz de volta ao espaço, enquanto a terra mais escura exposta absorve mais energia do sol.

800 metros: Diminuição na espessura do Muir Glacier, no Alasca, entre 1941 e 2004. Durante esse mesmo período, a frente da geleira recuou 11km.

407,6 partes por milhão: Concentração de CO2 na camada mais baixa da atmosfera do nosso planeta. Compare isso com 380 ppm há apenas uma década.

75%: Parcela da humanidade que pode enfrentar ondas de calor mortais até 2100 se não forem feitos grandes cortes nas emissões de CO2.

2 ºC: Meta para o aumento máximo da temperatura global a partir dos níveis pré-industriais, conforme descrito no Acordo de Paris. Infelizmente, um estudo publicado no ano passado determinou que a chance de atingir essa meta até 2100 é de apenas 5%. A realidade é que o aumento poderia ser de até 4,9 ºC.

0,8 ºC: Aumento da temperatura da superfície do mar entre 1901 e 2015. O aquecimento dos mares é um problema particular para os corais, que liberam as algas fotossintéticas – que usam para extrair energia da luz solar –, quando estão estressadas ou morrem.

guia-mudanca-climatica-inovasocial-03

___

Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Envie uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br.

Essa publicação é uma adaptação para o português do Guide to Climate Change, produzido pela WIRED.

Receba conteúdo exclusivo

Para não perder os próximos conteúdos do InovaSocial e receber materiais exclusivo em seu e-mail, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail