Inovações sociais e mudanças sistêmicas: Conclusões sobre um workshop – Parte 1

Durante a última terça-feira (02), participamos do workshop “Financiando inovações sociais para mudanças sistêmicas”, conduzido pela Louise Pulford, diretora do Social Innovation Exchange (SIX). Em uma ampla sala do Instituto Alana, em São Paulo, participantes das mais diversas fundações, institutos e outros players da inovação social brasileira discutiram sobre o cenário local.

Seria audácia minha trazer toda a discussão para um único texto, então tentaremos resumir as 8 horas de bate papo em duas partes e apresentar os insights que colhemos no workshop. Assim como foi o evento, também gostaríamos de ouvir a sua opinião, então não deixe de comentar no fim do texto.

O cenário brasileiro: Desafios e oportunidades da inovação social

Qual o maior desafio da inovação social no Brasil? Para apimentar a pergunta, Louise acrescentou um overview sobre os avanços dos últimos 10 anos no campo da inovação social, assinado por Geoff Mulgan, chefe executivo da Nesta. Segundo o relatório, quatro fatores impactam diretamente na inovação social:

  • Dinheiro – Fundos de investimento, Apoio governamental, crowdfunding, programas de incentivo, etc. Em resumo, tudo que pode gerar apoio financeiro para a inovação social acontecer;
  • Pessoas – Novos movimentos focado em inovação social, incubadoras, aceleradoras, comunidades focadas no tema;
  • Poder – Programas nacionais de incentivo, centros de inovação social com suporte do governo;
  • Conhecimento – Mídias sobre inovação social (acesso a conteúdos), proliferação de discussões em pesquisas acadêmicas.

No Brasil, segundo nossas conclusões, os grandes desafios estão nas pessoas e no conhecimento. Pontos como poder e dinheiro virão se houver a cultura da inovação social integrada como um fator cotidiano. Atualmente a inovação (não só a social) ainda é vista como um custo por empresas e isso impacta diretamente na cultura. Outro item que gera constante confusão é achar que a inovação está atrelada à tecnologia. Como já falamos em outras publicações do InovaSocial, a inovação é um pensamento e não uma ferramenta de execução.

Quando se faz tudo, acabamos fazendo nada. Se você pretende inserir a inovação social no seu dia, escolha um foco.

No âmbito da inovação social existe mais barreiras que, muitas vezes, se apresentam disfarçadas de oportunidades. Por exemplo, onde a inovação social pode ser aplicada? A resposta é tudo. Podemos inserir na reforma dos modelos de educação, em projetos de mobilidade urbana e tantos outros “universos” que envolvam a sociedade. Falando o português claro, isso confunde a cabeça. Quando se faz tudo, acabamos fazendo nada. Se você pretende inserir a inovação social no seu dia a dia, escolha um foco.

Por fim, precisamos aplicar a inovação como uma forma de pensamento na educação, ou seja, as universidades (e, até mesmo, escolas) precisam disseminar e incentivar o pensamento inovador. Precisamos educar e mostrar que inovação social não é apenas filantropia. Neste ponto gostaria de abrir um parênteses. Isso foi algo bem discutido no workshop. Quando pensamos em inovação social, a primeira coisa que aparece na mente é são termos como “ajuda”, “pobreza”, “necessitados”. A inovação social não deve ser usada para resolver problemas, ela deve ser usada para evitar os problemas. Se quiser se complementar e aprofundar neste tema, sugiro que leia nosso texto “A falsa ideia da linha evolutiva da filantropia”.

Voltando ao workshop, se trabalharmos a cultura da inovação social, ou seja, pessoas e conhecimento, o poder e o dinheiro serão (boas) consequências. Ainda falando sobre futuro, o SIX reuniu 160 líderes para um encontro de dois dias em Londres e perguntou “Qual a sua visão para a inovação social nos próximos 10 anos?”. A resposta de alguns virou o vídeo apresentado no workshop e que você confere abaixo.

Para concluir a primeira parte da nossa discussão, gostaria de introduzir a espiral de processo de inovação, um framework apresentado no workshop (que vamos nos aprofundar melhor no próximo texto) e comentar brevemente sobre um case brasileiro de inovação social focado em gestão.

espiral-inovacao-social-workshop-six-inovasocial

Para que você entenda melhor cada fase da espiral:

  1. Oportunidades & Desafios: O início da espiral começa com pesquisas, identificação de novas oportunidades e/ou surgimento de desafios, como o Ebola, por exemplo;
  2. Geração de ideias: É a fase onde se abrem as discussões e definições do projeto. Prêmios e aceleradoras entram neste ponto do processo para transformar ele em algo palpável;
  3. Desenvolvimento e testes: Nesta etapa são desenvolvido protótipos/pilotos. Momento de alto risco para os projetos e onde existe a necessidade de investimento financeiro;
  4. Finalização e refino do projeto: Etapa usada para corrigir possíveis erros e refinar o projeto final;
  5. Entrega e implementação: Este é o momento em que o projeto “vai pra rua” definitivamente. Fase crítica para erros;
  6. Crescimento e escala: Como o próprio nome diz, é a fase em que o projeto cresce e pode ser aplicado em escala;
  7. Mudanças sistêmicas: A fase final (e a mais complexa), quando a inovação social impacta em mudanças sistêmicas. Eu diria que esta fase é quando o projeto vira tão normal e tão essencial como respirar.

Usando como base esta espiral de processo de inovação, gostaria de apresentar o projeto que vem sendo desenvolvido em Sobral, no Ceará. Em 2000, cerca de 48% dos alunos entre 7 e 8 anos eram analfabetos funcionais, ou seja, quando a criança chega aos 8 anos e não sabe ler um texto simples. Para mudar este cenário, foi implementado uma nova política de ensino fundamental baseada em meritocracia, qualificação profissional e incentivo para os professores.

o valor (investido) representava entre 26 a 27% do orçamento da prefeitura, o mínimo constitucional é 25%

Em 2011, cerca de R$ 450 mil em prêmios foram distribuídos para os docentes da região. Segundo Júlio Cesar da Costa, secretário de Educação na época, este valor representava entre 26 a 27% do orçamento da prefeitura (o mínimo constitucional é 25%). Ou seja, foram feitas mudanças sem investimentos excepcionais. Também foi definido com clareza o que se deve ensinar (plano pedagógico) e autonomia a diretores (escolhidos em concursos abertos até para pessoas de fora do Estado). Além da fiscalização de inspetores que, regularmente, visitam as escolas, os municípios recebem incentivos financeiros na entrega de resultados.
Resultado visto em 2015, quando Massilon Sabóia, município mais distante do centro de Sobral, atingiu nota 8 no Ideb. Para efeito de comparação, a educação no Reino Unido equivale a nota 6. Os reflexos da gestão inteligente não terminam aí, no mesmo relatório, os 31 colégios atingiram notas entre 6,9 e 9 no ensino fundamental (a escala vai de 0 a 10).

Sobral pode não ser o projeto ideal para educação no Brasil, mas já é um começo. Colocando ela na espiral de inovação, ainda estamos em fase de implementação, ou seja, ainda falta ganhar escala e fazer mudanças sistêmicas. Mas para isso, falta uma coisa que nós, brasileiros, precisamos aprender melhor… O planejamento a longo prazo. Sobral demorou mais de 17 anos para atingir a fase 5 da espiral e não sabemos quanto tempo levará para atingir as etapas seguintes (se é que conseguirá). De qualquer forma, precisamos aprender planejar o futuro, enquanto tentamos consertar – mesmo que de forma paliativa – o presente.

Antes de colocar o ponto final, gostaria de deixar para você, caro leitor e leitora, um vídeo para instigar a discussão sobre educação. O TED apresentado por Geoff Mulgan sobre escola estúdio. Confira!

___

Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Envie uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br

Deixe uma resposta

Receba conteúdo exclusivo

Olá! Seja bem-vindo ao inovaSocial. Para não perder as nossas próximas novidades e receber conteúdo exclusivo, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail
Fique tranquilo, nós nunca enviaremos spam