Como o investimento em energia pode causar impacto na saúde das pessoas

Imagine a sua vida sem eletricidade: sem televisão, computador, internet ou telefone celular, sem iluminação à noite (exceto pelo uso de velas ou lampiões de querosene) para ler livros, estudar ou andar na rua. Essa não é apenas uma realidade tediosa, solitária e desconectada; a falta de acesso à eletricidade limita seu desenvolvimento pessoal e produtividade. E mais importante: pode ser mortal.

A energia é um facilitador crítico dos serviços de saúde de qualidade. Por exemplo, mães no parto requerem atenção médica imediata e, ao contrário de outros procedimentos médicos, o parto não pode esperar até a manhã seguinte. Sem eletricidade, as instalações de saúde não podem ter iluminação adequada ou operar equipamentos médicos básicos, como um monitor de frequência cardíaca fetal. As unidades de saúde também precisam de energia para o armazenamento de vacinas, acesso a água limpa, esterilização de equipamentos, assistência emergencial e cirúrgica, diagnósticos básicos e tecnologia laboratorial e e-health. À medida que as doenças mudam, ainda mais energia será necessária para expandir os serviços de prevenção e tratamento de doenças não transmissíveis, como câncer, diabetes e hipertensão.

Energia é um facilitador crítico dos serviços de saúde de qualidade

Apesar dessa necessidade básica – e crítica –, clínicas, hospitais e profissionais de saúde em toda a Ásia em desenvolvimento muitas vezes não têm acesso à energia. Cerca de um bilhão de pessoas nessa região podem acessar apenas instalações de saúde com eletricidade não confiável, ou nenhuma eletricidade. Por exemplo, 46% das instalações de saúde indianas que atendem a um número estimado de 580 milhões de pessoas não têm eletricidade e muitas outras têm apenas um suprimento não confiável. Para piorar, muitos médicos e enfermeiros simplesmente não trabalham em clínicas de saúde que não têm iluminação externa para sua segurança, ou eletricidade para a execução de dispositivos médicos essenciais. Essas instalações não podem atrair e reter profissionais de saúde qualificados, especialmente nas áreas rurais.

O acesso à energia torna as comunidades mais saudáveis porque melhora as condições de vida dos moradores. Por exemplo, a iluminação pública fornece segurança e proteção, reduz o crime e incentiva atividades saudáveis como esportes após o anoitecer.

Energia confiável e acessível é fundamental para alcançar a saúde e o bem-estar de todos todos. Mas, para integrar a energia nos projetos de saúde, precisamos pensar além das soluções do setor de saúde e promover uma colaboração mais próxima, ao mesmo tempo em que alavancamos sinergias entre os setores de saúde e energia. Aqui estão 3 formas de investir em energia para causar impacto na saúde das pessoas:

Para integrar a energia nos projetos de saúde, olhe além do setor da saúde

Primeiro, gere dados para tomadores de decisão. Uma maneira de fazer isso é mapear o status de eletrificação da infraestrutura relevante para a saúde das pessoas (casas, comunidades, escolas, unidades de saúde) e vincular essas informações a dados demográficos de saúde para mostrar a conexão entre saúde e energia.

Na Índia, as evidências coletadas pelo Conselho de Energia, Meio Ambiente e Água mostram que o investimento em energia pode desempenhar um papel importante na prestação de cuidados de saúde em áreas rurais. Para isso, as unidades de saúde indianas em áreas rurais teriam que definir seus requisitos básicos de energia e padrões de serviço. Um aspecto interessante da relação energia-saúde é a eficiência energética ao projetar clínicas ou hospitais. Por exemplo, as instalações de saúde podem gerar uma economia substancial usando menos ar-condicionado, se forem construídas para permitir ventilação adequada e resfriamento natural. O mesmo aconteceria com o aquecimento e as janelas isoladas.

Em segundo lugar, é importante priorizar soluções Off-Grid para instalações de saúde ao planejar projetos de energia para comunidades. Isso é mais fácil de dizer do que de fazer, já que os esforços de eletrificação Off-Grid são consistentemente prejudicados pela falta de alocações nos orçamentos das unidades de saúde.

Deixe os números falarem sobre os benefícios da energia limpa na saúde

Os custos iniciais para a compra de um gerador são menores, mas os custos de combustível e a poluição gerada durante a operação superam esses benefícios. Se houver financiamento disponível, é economicamente mais viável investir em sistemas de energia baseados em energia solar em clínicas de saúde pública.

No entanto, também é importante garantir um projeto de qualidade e treinamento de equipe para garantir a operação confiável de tais sistemas – às vezes esse é um objetivo significativo a ser enfrentado.

Finalmente, deixe que os números falarem por si. Inclua os benefícios para a saúde em cálculos de taxa de retorno econômico para projetos de energia limpa para destacar seus impactos na saúde e, ao fazê-lo, defenda esses investimentos. A Mongólia é um ótimo exemplo disso, uma vez que seu governo agora exige que novos hospitais invistam em energia limpa.

O argumento para investir em energia limpa com o objetivo de gerar melhoras para a saúde é algo muito claro. Mas enquanto milhões de famílias e milhares de unidades de saúde continuarem sem eletricidade nos países em desenvolvimento, devemos continuar a aumentar a conscientização sobre a urgência de investir na eletrificação de instalações de saúde.

___

Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Envie uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br.

Essa publicação foi produzida com base no texto 3 ways investing in energy makes people healthier, do Asian Development Blog.

Receba conteúdo exclusivo

Para não perder os próximos conteúdos do InovaSocial e receber materiais exclusivo em seu e-mail, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail