Cidades acessíveis: como elas verdadeiramente devem ser

Para David Meere, um deficiente visual morador da cidade de Melbourne (Austrália), entre os vários obstáculos que existem dentro da vida na cidade, um deles é o menos discutido discutido: o medo.

“O medo de não ser capaz de caminhar por ambientes cheios, desordenados e visualmente orientados é uma grande barreira à participação na vida normal”, diz David, 52 anos. “Seja indo às lojas, dando uma volta no parque, indo para trabalho, procurando emprego ou simplesmente socializando.”

É isso que faz com que um projeto inovador na estação de trem Southern Cross tão importante para ele. Um novo sistema de navegação por Beacon envia sinais de áudio para os usuários através de seus smartphones, fornecendo orientações, sinalizando interrupções na escada rolante e transformando o que antes era uma área “proibida” para David.

“Eu não tenho mais que esperar que uma pessoa visual ou um membro da equipe capazes de fornecer assistência direta”, diz ele. “E em um nível muito pessoal e poderoso, me permite usar este importante centro de transportes em uma das maiores cidades da Austrália, com certeza e independência. Isso muda o jogo. ”

David é apenas uma das centenas de milhões de pessoas com deficiências que vivem em cidades ao redor do mundo. Em 2050, elas devem ser um grupo de 940 milhões de pessoas, ou 15% do que será de aproximadamente 6,25 bilhões de habitantes urbanos. E, segundo a ONU, a falta de acessibilidade “representa um grande desafio” e é algo que precisa ser atendido com urgência.

Para os deficientes físicos, as barreiras podem variar de rampas para cadeiras de rodas bloqueadas, edifícios sem elevador, banheiros inacessíveis e lojas sem acesso sem degraus. Enquanto isso, para o aprendizado de pessoas com deficiência ou do espectro autista, o ambiente metropolitano desordenado e agitado pode ser um campo minado sensorial.

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-00
Escadas, portas giratórias, paralelepípedos e degraus nos trens são algumas das características que dificultam o acesso das pessoas em cadeiras de rodas às suas cidades.

Embora a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e leis como a Lei da Igualdade da Grã-Bretanha e Lei de Discriminação da Deficiência da Austrália tenham como objetivo o aumento de direitos e acesso, a realidade pode ser muito diferente.

No entanto, as cidades se beneficiam da acessibilidade. Um estudo da Organização Mundial de Saúde descreveu, como David Meere, como pessoas com deficiência são menos propensas a socializar ou trabalhar sem transporte acessível. As cidades também perdem seus ganhos econômicos: no Reino Unido, a “libra roxa” (um termo usado para descrever o poder de compra das pessoas com deficiência e suas famílias) representa 212 bilhões de libras, e o mercado de turismo acessível está estimado em 12 bilhões de libras.

No entanto, algumas cidades ao redor no mundo estão liderando essa caminhada:

Seattle (EUA)

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-05

Os aplicativos de mapeamento melhoraram muito a forma de se deslocar pelas cidades, para a maioria das pessoas, mas a falta de detalhes sobre rampas e guias rebaixadas significa que esses apps nem sempre funcionam bem para pessoas com deficiências físicas.

Na cidade montanhosa de Seattle, por exemplo, vários bairros não têm pavimento e muitas ruas têm inclinação de 10% ou até 20%. Pensando nisso, o Centro Taskar para Tecnologia Acessível da Universidade de Washington desenvolveu uma solução: um aplicativo de mapeamento que permite que pedestres com mobilidade limitada planejem rotas acessíveis. O AccessMap permite que os usuários insiram um destino e recebam rotas sugeridas, dependendo das configurações personalizadas, como a limitação de inclinações em aclives ou declives. A imagem acima mostra ruas de Seattle coloridas por declive: verde significa plano; vermelho significa uma inclinação de 10% ou mais.

Enquanto o Google Maps envia pedestres da estação da University Street para a Prefeitura através da Rua Seneca, que possui uma inclinação de 10%, o AccessMap os envia pela Pike Street, já que sua inclinação é de menos de 2%.

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-06

Ele também complementa os dados do Departamento de Transporte de Seattle e do Serviço Geológico dos EUA com informações de eventos de navegação em mapas. Agora, o projeto relacionado OpenSidewalks, do Taskar Centre, está levando o AcessMap adiante, com o fornecimento colaborativo de informações extras, como a largura do pavimento e a localização dos corrimãos.

Singapura

Até 2030, um em cada cinco singapurenses terá mais de 60 anos, e este “tsunami prateado” está impulsionando a consciência do envelhecimento e da incapacidade. A cidade pode não ser conhecida historicamente por práticas inclusivas, mas recentemente ganhou elogios da ONU por seu ambiente acessível e fácil de usar. Os princípios do Design Universal elaborados pela Autoridade de Construção de Edifícios de Singapura encorajaram a acessibilidade em novos desenvolvimentos, desde o seu lançamento, em 2007.

O CapitaGreen, no distrito central de negócios, é um bloco de escritórios de 40 andares que ganhou vários prêmios de Design Universal. Concluída em 2014 a um custo de US$ 1,3 bilhão, a estrutura projetada pela Toyo Ito conta com espaços livres de colunas e uma recepção com balcão baixo, para ajudar pessoas com deficiência a se deslocarem pelo prédio com mais facilidade.

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-08
Direções Braille nos corrimãos do premiado bloco de escritórios CapitaGreen.

As portas do elevador ficam abertas por mais tempo, os corrimãos estão presentes dos dois lados das escadas e as cadeiras têm pegadores. Um circuito de indução de audição permite uma comunicação mais clara para aqueles que usam aparelhos auditivos, enquanto as direções em Braille, a orientação tátil e os pictogramas fáceis de ler ajudam os deficientes visuais. Rotas para o escritório a partir de passarelas subterrâneas de pedestres e duas estações de MRT são livres de barreiras.

O MRT de Singapura também está trabalhando para melhorar a acessibilidade na última década. A operadora de 30 anos tem conseguido mais elevadores, portões mais amplos e orientação tátil, e mais de 80% das 138 estações têm pelo menos duas rotas sem barreiras.

O título do sistema de metrô mais acessível do mundo, no entanto, provavelmente vai para Washington, DC. Lá, todas as 91 estações de metrô são totalmente acessíveis, juntamente com seu sistema de trens e toda a frota de ônibus.

Sonoma (EUA)

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-09

As pessoas com autismo podem ser hipersensíveis ao som, luz e movimento, e ficam sobrecarregadas em espaços barulhentos, desordenados ou lotados. O Sweetwater Spectrum, um projeto habitacional de US$ 6,8 milhões em Sonoma, cidade da Califórnia, visa abordar isso. O local, inaugurado em 2013, inclui quatro residências com 4 quartos para 16 jovens adultos, um centro comunitário, piscinas terapêuticas e uma fazenda urbana – tudo projetados por Leddy Maytum Stacy Architects de acordo com princípios específicos do autismo, recomendados pela Universidade Estadual do Arizona, para promover uma sensação de calma.

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-10
Dentro do projeto habitacional Sweetwater Spectrum.

Juntamente com linhas simples e claras, as casas são projetadas para que os moradores possam ver claramente os espaços entre os limites. O ruído é reduzido ao mínimo graças aos sistemas silenciosos de aquecimento e ventilação e ao design inteligente, como a localização da lavanderia longe dos quartos. Os acessórios e a decoração reduzem a estimulação sensorial e a desordem, com cores suaves, tons neutros e luz natural ou embutida.

Korsør (Dinamarca)

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-11

O complexo esportivo, de férias e de conferências Musholm, em Korsør, ganhou inúmeros prêmios – mais recentemente do Comitê Olímpico Internacional e do Comitê Paraolímpico Internacional – pelo redesenho, de 2015, de sua estrutura básica, de 1998.

No centro do local, de propriedade da Fundação de Distrofia Muscular dinamarquesa, há um vasto salão de esportes circular, com um teleférico aéreo e parede de escalada para usuários de cadeiras de rodas e um sistema integrado de roldanas. Do lado de fora, uma rampa de 100 metros sobe da base do corredor para um lounge no terraço – a rampa também pode ser usada como pista de corrida de cadeira de rodas. O Musholm, que custou 14,5 milhões de euros para ser construído, é administrado como uma empresa social.

Cada um dos 24 quartos do hotel conta com guincho de teto, cortinas eletrônicas, camas que podem ser levantadas ou reclinadas automaticamente, pias com altura ajustável e toaletes acessíveis. À beira da água, um cais privado é amplo o suficiente para cadeiras de rodas e acessível por uma rampa.

“A acessibilidade deve ser sentida, mas não vista”, diz o diretor da fundação, Henrik Ib Jørgensen.

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-12
O salão de esportes multiuso no complexo Musholm.

A Dinamarca também é lar do que é amplamente considerado como o edifício comercial mais acessível do mundo. A Casa das Organizações de Pessoas com Deficiência, no subúrbio de Taastrup (Copenhague), é a sede compartilhada de cerca de 30 diferentes grupos de deficientes. Construído em 2012, o edifício conta com elevadores com duas portas, para que os usuários de cadeira de rodas não precisem se virar ao entrar ou sair, e pequenos botões táteis nos trilhos para que os cegos possam saber em qual andar estão.

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-13

Chester Inglaterra

Chester, no noroeste da Inglaterra, é famosa por seu circuito de mais de 3km de muralhas romanas, saxônicas e medievais e suas passagens elevadas, chamadas de Linhas. No ano passado, Chester se tornou a primeira cidade britânica a ganhar o prêmio Access City, da Comissão Européia.

As Linhas são acessíveis com rampas, elevador e escada rolante. O Northgate, espaço de compras e lazer, será concluído em 2021. O local incluirá lojas acessíveis, restaurantes, casas e um hotel de 157 quartos, incluindo oito quartos acessíveis com guinchos de teto. O hotel contará com um local com trocadores, para pessoas com deficiências complexas ou múltiplas e profundas. Ao contrário dos banheiros acessíveis, estes incluem banco regulável de altura ajustável, pia ajustável, vaso sanitário projetado para uso assistido e guincho.

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-14
O centro cultural Storyhouse tem assentos flexíveis, loops de áudio e vestiários acessíveis nos bastidores.

O design acessível de Storyhouse, centro cultural de Chester, foi criado após o feedback de grupos de pessoas com deficiência. O complexo de teatros, cinemas e bibliotecas tem 7 banheiros acessíveis e com trocadores, assentos flexíveis no teatro para grupos de frequentadores com deficiência, audiodescrição e audiofones. Nos bastidores, há banheiros, vestiários e elevadores acessíveis.

Melbourne (Austrália)

Como David Meere descobriu, em Melbourne, um projeto piloto de oito meses está atualmente transformando a forma como as pessoas com deficiência visual navegam pelo espaço público. O projeto no terminal ferroviário da estação Southern Cross usa Bluetooth e o aplicativo gratuito de smartphone GPS BlindSquare para criar um sistema de navegação por Beacon.

cidades-acessiveis-deficientes-inovacao-social-inovasocial-15

Os usuários recebem dicas de áudio por meio de smartphones, fornecendo orientações ou informações em tempo real sobre problemas como interrupções na escada rolante. Lá fora, o aplicativo fornece informações direcionais em tempo real. No interior, onde o GPS não é confiável, 20 Beacons Bluetooth sem fio fazem com que os usuários ainda recebam informações. As pistas de áudio incluem conselhos como: “Aproximando-se de três escadas rolantes à esquerda, seguidas por um conjunto de portas – as portas à esquerda são automatizadas”.

O teste é conduzido pela instituição Guide Dogs Victoria, que planeja instalar sistemas semelhantes no Zoológico de Melbourne, no Albert Park (sede do Grande Prêmio da Austrália) e na área de Docklands.

“Em muitas situações, a pessoa com baixa visão e cegueira terá um conhecimento maior do que a pessoa com visão”, diz Alastair Stott, da Guide Dogs Victoria. “É uma inversão completa de papéis.”

___

Gostou do texto e quer fazer parte da nossa comunidade? Envie uma sugestão de pauta, um texto autoral ou críticas sobre o conteúdo para contato@inovasocial.com.br.

Receba conteúdo exclusivo

Para não perder os próximos conteúdos do InovaSocial e receber materiais exclusivo em seu e-mail, assine agora a nossa newsletter.
Insira o seu e-mail